My Menu

Image Map

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Meus dias estão cada vez ficando mais pesados.

Eu já relatei aqui nesse blogue injustiça que fizeram, com minha mãe que foi cônjuge de um Boliviano por 14 anos, e por injustiça judiciária não teve seu direito de residir no imóvel do cônjuge garantido por lei, tendo de sair para não ser despejada, não teve direito pensão e hoje recebe um Loas da previdência, conseguido a muito custo. Hoje com 70 anos ela e eu após trabalharmos de caseiros em uma sociedade de bairro por 3 anos e oito meses sem salários, foi pedido que saíssemos e sem condições estamos novamente sendo despejados. Há um processo de reintegração de posse, da casinha em que moramos dentro desta sociedade de bairro, que não tem tem nenhuma função social no bairro e é explorada por particulares, que cobram por todas as atividades para lucro próprio.
A sociedade se chama SATUMAR ( Sociedade Amigos do Trinta e um da Março ), pode ser pesquisado no Google. 
Eu também trabalho como eletricista, encanador e pintor, um prestador de serviços. Porém desde a crise no Brasil que já perdura por quase 3 anos ou mais, estou até perdido nesta, que já arrastou tantos pro buraco. Não tenho tido trabalho suficiente. Não tenho condições de pagar aluguel, água e luz, com o que eu e minha mãe ganhamos, meus irmãos não podem me ajudar pois tem suas famílias. Além disso parte do serviço que eu tinha era de uma Loja chamada Nova Hidráulica do qual o proprietário é um dos diretores da SATUMAR e virou as costas pra mim não me passando mais serviços. Isso por que são evangélicos, se dizem gente de DEUS! O Qual já deve ter me condenado a derrota, pois sempre tive dificuldades em tudo em minha vida. E minha mãe também. A história dela daria um livro muito triste. Uma pessoa que nunca fez mal a ninguém e a quem a Justiça usurpou direitos civis.
Podem pensar que me queixo a toa, mas não tenho a mesma saúde que os demais e não tenho preguiça de trabalhar. Minha vida sempre foi difícil e nunca prejudiquei ninguém, nunca pedi dinheiro, pra quem quer que fosse, ou roubei ou cometi algum crime. E até a Polícia já me hostilizou e fui julgado por desacato, quando a polícia foi quem usou de ma fé. São tantos os motivos que tenho para não acreditar na justiça deste país, e na compaixão da sociedade com quem é honesto, que perdi totalmente a esperança, e a fé.
Não tenho como comprovar renda para alugar um imóvel, e provavelmente serei despejado junto a minha mãe de 70 anos, talvez ela possa ir para casa de alguém. Mas eu não! Já me decidi. Já que a sociedade não me dá oportunidade, só me resta ser morador de rua. Pois que outros lugar alguém vai, se não pode pagar pra morar. Sempre paguei minhas contas em dia mas parece que ser honesto neste país não compensa mesmo. Quem dera pudéssemos viver como os indígenas viviam, pois até esses foram contaminados pelo "progresso". A natureza surgiu sem donos, o homem nasce nu e sem nada, mas pra todo lado que se olha alguém é dono de um pedaço de chão, e alguns tem tanto que pra outros nada resta. 
Eu já não espero mais uma solução apenas o que tiver que ser, será! Perdi as forças pra lutar e todos os dias penso em suicídio sem ter coragem para tal. Pois sou covarde até para livrar o mundo de minha insignificante presença. Pois é isso que sou e todos somos pequeninas criaturas lutando em uma guerra onde quem pode mais subjuga, o outro.     

Lojinha Zoran

Aviso

Quando você assistir vídeos, das barras de vídeo, role a barra de rolagem para cima, para achar o vídeo selecionado. Grato!

De Olho na Tela

Loading...